Portugal - Dicionário

A página abrirá numa janela nova

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Artigos Relacionados

Aviso ao Leitor da edição original (1904)

Aos Senhores Assinantes (1915)

A edição actual para a Internet (2000)

Os objectivos (2001)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Teve o apoio:

Portugal

Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico


abrangendo


A minuciosa descrição histórica e corográfica de todas as cidades, vilas e outras povoações do continente do Reino, Ilhas e Ultramar, monumentos e edifícios mais notáveis, tanto antigos como modernos; biografias dos portugueses ilustres antigos e contemporâneos, célebres por qualquer título, notáveis pelas suas acções, pelos seus escritos, pelas suas invenções ou descobertas; bibliografia antiga e moderna; indicação de todos os factos notáveis da história portuguesa, etc., etc.


Obra ilustrada

com centenares de fotogravuras
e redigida
segundo os trabalhos dos mais notáveis escritores
por


Esteves Pereira e Guilherme Rodrigues

 
Volume I - A - 1904
Volume II - B - C - 1906
Volume III - D - K - 1907
Volume IV   - L - M - 1908
Volume V - N - P - 1911
Volume VI  - Q - S - 1912
Volume VII - T - Z - 1915

Lisboa

João Romano Torres - Editor


82, Rua D. Pedro V, 88 (1904)
112, Rua Alexandre Herculano, 120 (1906)
120, Rua Alexandre Herculano, 120-D (1907 e 1908)
Rua Alexandre Herculano, 70 a 76 (1911 a 1915)

Personalidade da Semana

 

Princesa Santa Joana

Joana (Santa).  

n.      6 de fevereiro de 1452.
f.       12 de maio de 1490.

Princesa de Portugal, filha do rei D. Afonso V e da rainha, sua mulher, D. Isabel. 

Nasceu em Lisboa a 6 de fevereiro de 1452; faleceu no convento de Aveiro a 12 de maio de 1490. 

O nascimento desta princesa causou o maior entusiasmo e alegria, por não haver sucessor, e logo no berço foi jurada em cortes por princesa herdeira do reino, titulo que pela primeira vez se dava em Portugal. O nome de Joana, que recebeu no baptismo, fora em memória de S. João Evangelista, a que sua mãe consagrava cordial afecto. Desde muito criança mostrou tendências para a vida religiosa. Tinha quinze anos quando faleceu a rainha sua mãe, e D. Afonso V logo lhe deu casa com a mesma grandeza e fausto, e por mordomo, primeiramente a Fernão Telo de Meneses, do seu conselho, e depois a D. João de Lima, 2.º visconde de Vila Nova de Cerveira. A princesa continuou na sua vida religiosa, tornando-se digna da admiração de todos pelas suas elevadas virtudes, e pela forma com que ao decoro da sua pessoa unia os rigores da maior austeridade, porque no público ostentava pelas galas a pompa e fausto senhoril, e no interior ocultava por baixo delas a estamenha grosseira, o cilício e outros instrumentos de penitencia. Em 1471, voltando D. Afonso V da tomada de Arzila e de Tanger; determinou Santa Joana cortar por tudo que se oferecesse contra a sua vocação, e tomar o hábito de religiosa. (...)

Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico.

Edição em papel © 1904-1915 João Romano Torres - Editor
Edição electrónica © 2000-2015
Manuel Amaral