Portugal - Dicionário

A página abrirá numa janela nova

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

 

Artigos Relacionados

Aviso ao Leitor da edição original (1904)

Aos Senhores Assinantes (1915)

A edição actual para a Internet (2000)

Os objectivos (2001)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Teve o apoio:

Portugal

Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico


abrangendo


A minuciosa descrição histórica e corográfica de todas as cidades, vilas e outras povoações do continente do Reino, Ilhas e Ultramar, monumentos e edifícios mais notáveis, tanto antigos como modernos; biografias dos portugueses ilustres antigos e contemporâneos, célebres por qualquer título, notáveis pelas suas acções, pelos seus escritos, pelas suas invenções ou descobertas; bibliografia antiga e moderna; indicação de todos os factos notáveis da história portuguesa, etc., etc.


Obra ilustrada

com centenares de fotogravuras
e redigida
segundo os trabalhos dos mais notáveis escritores
por


Esteves Pereira e Guilherme Rodrigues

 
Volume I - A - 1904
Volume II - B - C - 1906
Volume III - D - K - 1907
Volume IV   - L - M - 1908
Volume V - N - P - 1911
Volume VI  - Q - S - 1912
Volume VII - T - Z - 1915

Lisboa

João Romano Torres - Editor


82, Rua D. Pedro V, 88 (1904)
112, Rua Alexandre Herculano, 120 (1906)
120, Rua Alexandre Herculano, 120-D (1907 e 1908)
Rua Alexandre Herculano, 70 a 76 (1911 a 1915)

Personalidade da Semana

 

3.º duque de Cadaval

Cadaval(D. Jaime de Melo, 5.º marquês de Ferreira, 6.º conde de Tentúgal, e 3.º duque de).

n.      1 de setembro de 1684.
f.       29 de maio de 1749.

Estribeiro-mor de D. Pedro II e de D. João V, por carta de 8 de outubro de 1713; dos seus conselhos do Estado e da Guerra; presidente da mesa da Consciência e Ordens, em 9 de setembro de 1715; mordomo-mor da rainha D. Maria Ana de Áustria, nomeado em 13 de. fevereiro de 1739, com a prerrogativa de preceder a todos os oficiais da sua casa; familiar do Santo Oficio, em 28 de janeiro de 1702, habilitando-se em 1 de dezembro deste ano pelo tribunal competente para professar na Ordem de Cristo, como cavaleiro; senhor das vilas, comendas, alcaidarias, privilégios, padroados, morgados, e mais bens que foram de seus pais pertencentes à casa de Cadaval, incluindo as datas dos oficiais de justiça e fazenda e apresentação dos ouvidores, para o que tinha um de sua casa, que sempre eram ministros togados de grande literatura. Nasceu em Lisboa a 1 de setembro de 1684, e faleceu na mesma cidade a 29 de maio de 1749

Era filho do 1.º duque de Cadaval, D. Nuno Alvares Pereira de Melo, e de sua terceira mulher, a princesa D. Margarida Armanda de Lorena; irmão do 2.º duque de Cadaval, que faleceu ainda em vida de seu pai, e sem deixar sucessão. D. Jaime de Melo recebeu o título de duque, vivendo ainda seu pai, por carta de 25 de abril de 1701, tendo já por outra de 9 de janeiro do mesmo ano o assentamento de 750$000 réis. Foi 5.º marquês de Ferreira e 6.º conde de Tentúgal, declarado em 19 de dezembro de 1736. (...)

Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico.

Edição em papel © 1904-1915 João Romano Torres - Editor
Edição electrónica © Manuel Amaral 2000-2015