Portugal - Dicionário
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
 
Entrada > Dicionário > J > João XXI, Papa
João XXI

O Papa João XXI

João XX ou XXI.

n.   
f.    16 de Maio de 1277. 

 

Papa, natural da cidade de Lisboa, nascido na freguesia de S. Julião e falecido em 16 de Maio de 1277. 

Foi o 187.º na ordem cronológica dos papas. 

Chamava se Pedro Julião, ou Pedro Hispano, como ele se chamava nas suas obras. Era filho de Julião Rebelo, pessoa nobre e de conhecida família, como mostra o apelido já por aqueles tempos ilustre, e se vê no Nobiliário do conde D. Pedro título 68, e de que trata em particular no título 42. Exercia a medicina, faculdade então muito estimada neste reino. Pedro Julião seguiu também a profissão de médico, como seu pai, e foi muito douto em Filosofia e nas ciências matemáticas, como se manifesta das muitas obras e de muita erudição, que deixou escritas, entre as quais é especialmente laureado o tratado Thesaurus pauperum muitas vezes impresso e traduzido em várias línguas, e outro intitulado De tuenda valetudine, que se não imprimiu, e dedicou em Paris à rainha D. Branca, filha de Afonso IX, de Castela, e mulher de Luís VIII, de França. 

Segundo Jorge Cardoso, no tom. III do Agiologio Lusitano, Pedro Julião estudou na Universidade de Paris, mas D. Rodrigo da Cunha diz que foi na de Montpellier. Seguiu o estudo eclesiástico pela fama dos seus merecimentos, e sem que ele o solicitasse, D. Afonso III lhe deu o priorado da igreja de Santo André, de Mafra, a 20 de Julho de 1263, e depois o fez cónego e deão da sé de Lisboa, tesoureiro-mor na do Porto; arcediago de Vermoim, que era a quinta dignidade na de Braga, e D. Prior na colegiada real de Guimarães. Vagando o arcebispado de Braga por morte do arcebispo D. Martinho Geraldes, foi promovido em 1272. No fim do ano seguinte passou a Leão, de França, sendo mandado ao concílio geral, que então se havia publicado para o ano de 1274; nesse concílio o papa Gregório X o criou cardeal, bispo Fusculano, dito vulgarmente Frascati, que era um dos sete principais cardinalados, em domingo do Espírito Santo do mesmo ano de 1274, conservando-se ainda no arcebispado de Braga até Julho ou Agosto, em que então foi nomeado para lhe suceder D. Sancho, que assistia no mesmo concilio. 

Por morte de Adriano V, que falecera em Viterbo no mês de Agosto de 1276 antes de ser sagrado, ficou Pedro Julião eleito papa no conclave dos cardeais a 13 de Setembro com universal aprovação, e foi coroado no seguinte dia 20 tomando o nome de João. O novo papa revogou a constituição do conclave, feita no concilio de Leão por Gregório X, por bula datada de Viterbo; determinou por outra bula, que todos, que haviam feito violência aos cardeais na sua eleição, comparecessem perante um tribunal de justiça, que de novo criara, e mandou publicar censuras eclesiásticas contra os que faltassem à justiça deste tribunal. A 7 de Outubro do mesma anuo de 1276 lhe mandou Carlos, rei de Sicília, prestar homenagem pelo seu reino, com as mesmas condições da investidura, que lhe dera Clemente IV, tanto pela ordem da sucessão, como pela incompatibilidade com o império. João XXI provia sempre nos benefícios os que mais se distinguiam por virtudes e letras, que ele tanto amava, que sustentava com abundantes pensões todos os moços aplicados em que reconhecia talento e davam esperanças de aproveitar no estado eclesiástico. Contava pouco mais de oito meses de pontificado, quando foi vitima dum desastre, em Viterbo, onde então residia a corte. Entrando só para ver um quarto do palácio, que mandara ali edificar, e fora acabado recentemente, o edifício desabou, deixando-o tão mal ferido, que faleceu seis dias depois. Ficou sepultado na igreja catedral de S. Lourenço, em monumento de pórfiro.

 

 

Transcrito por Manuel Amaral

 

 

Portugal - Dicionário Histórico, Corográfico, Heráldico, Biográfico, Bibliográfico, Numismático e Artístico, Volume III, págs. 1057-1058.

Edição em papel © 1904-1915 João Romano Torres - Editor
Edição electrónica © 2000-2010 Manuel Amaral