Reis, Rainhas e Presidentes de Portugal

 

D. Afonso V

 


D. Afonso V

D. Afonso V


Décimo terceiro rei de Portugal. 

Filho de D. Duarte e de D. Leonor de Aragão. 

O seu reinado compreendeu três grandes períodos. O primeiro vai da elevação ao trono (1438) à batalha de Alfarrobeira. D. Duarte confiara por testamento a regência à rainha viúva; mulher e castelhana, era impopular no reino, sendo apoiada por D. Afonso, duque de Barcelos e pela nobreza nortenha. D. Pedro, duque de Coimbra, apoiado por seus irmãos e pelas cidades, é eleito regente em Cortes (1439) e mantido no governo quando D. Afonso V atinge a maioridade (1446). Só em 1448 se turvam as relações entre ambos, devido às intrigas do conde de Barcelos; D. Pedro retira-se para Coimbra e é morto em Alfarrobeira (1449). 

A segunda fase caracteriza-se pelos feitos militares de D. Afonso V no norte de Africa, que lhe valem o epíteto de Africano: rei-cavaleiro conquista Alcácer Ceguer (1458), ataca Tanger (1460, 1462, 1464), toma Arzila (1471) e Larache, juntando ao título de «rei de Portugal e dos Algarves» o de «aquém e além-mar em Africa». 

O último período é dominado pela política peninsular: vago o trono de Castela pela morte de Henrique IV, Afonso V defende os direitos de sua sobrinha D. Joana, a Beltraneja, com quem celebra esponsais, contra os Reis Católicos. A batalha de Toro é-lhe desfavorável; decide passar a França para obter, nos termos do acordo de 8 de Setembro de 1475, o apoio de Luís XI, que lho recusa, devido à guerra com o duque de Borgonha. Afonso V falha na mediação que tenta entre ambos; de regresso, pensa ir a Jerusalém e abdica, mas reconsidera. E quando Luís XI assina um tratado de amizade com Fernando e Isabel, Afonso V reconhece-Ihes a realeza castelhana pelo tratado de Alcáçovas (1479). 

Durante o reinado de Afonso V abranda a descoberta de África (vai-se do Rio do Ouro ao Cabo de Santa Catarina) e o poderio da nobreza põe em perigo a estabilidade do Estado. Afrouxaram as relações com Borgonha e estabeleceram-se contactos com a Bretanha. Floresceram na sua corte Mateus de Pisano, Fernão Lopes, Azurara, Nuno Gonçalves, cardeal Alpedrinha, Vasco Fernandes de Lucena. Na regência de D. Pedro coligiram-se as Ordenações Afonsinas.

 

Ficha genealógica:

D. Afonso V, nasceu em Sintra, a 15 de Janeiro de 1432, e morreu na mesma vila, a 28 de Agosto de 1481. Jaz no Mosteiro da Batalha. Casou em 1445 com sua prima D. Isabel, nasceu em Coimbra, 1432, e morreu em Évora, a 2 de Dezembro de 1455. Jaz também no Mosteiro da Batalha. Era filha do infante D. Pedro e de D. Isabel, duques de Coimbra. Em matrimónio que nunca se consumou, por falta da necessária dispensa, casou em Plasencia, a 30 de Maio de 1475, com sua sobrinha D. Joana, que nasceu em Castela em 1462, e faleceu em Lisboa em 1530, filha de Henrique IV e da infanta D. Joana de Portugal. Daquele matrimónio nasceram os seguintes filhos:

1. D. João, nasceu em Sintra, a 29 de Janeiro de 1451 e morreu de pouca idade, tendo sido sepultado na Capela de Nossa Senhora do Rosário, do Mosteiro da Batalha;

2. D. Joana, nasceu em Lisboa a 6 de Fevereiro de 1452 e faleceu em Aveiro a 12 de Maio de 1490. Jaz em sumptuoso túmulo, no Mosteiro de Jesus da Aveiro. Não tendo seguimento vários projectos de consórcio que lhe foram destinados, a Princesa Santa acabou por abraçar a vida religiosa, tomando o hábito dominicano naquele convento.

3. D. João II, que herdou a coroa.

Fontes:
Joel Serrão (dir.)
Pequeno Dicionário de História de Portugal,
Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1976

Joaquim Veríssimo Serrão,
História de Portugal, Volume II: Formação do Estado Moderno (1415-1495),
2.ª ed., Lisboa, Verbo, 1979

| Página Principal |
|
A Imagem da Semana | O Discurso do Mês | Almanaque | Turismo histórico | Estudo da história |
|
Agenda | Directório | Pontos de vista | Perguntas mais frequentes | Histórias pessoais
|
Biografias | Novidades | O Liberalismo | As Invasões Francesas | Portugal na Grande Guerra |
|
A Guerra de África | Temas de História de Portugal| A Grande Fome na Irlanda | As Cruzadas
|
A Segunda Guerra Mundial | Think Small - Pense pequeno | Teoria Política |

Escreva ao Portal da História

© Manuel Amaral 2000-2008